Vaquinha / Outros / Dinheiro

Vaquinha editorial, a vaca culta!

ID da vaquinha: 15823
Vaquinha editorial, a vaca culta!
0 coração recebido
COMPARTILHE ESTA VAQUINHA
URL copiada!
32%
Arrecadado
R$ 4.780,00
de
Meta
R$ 15.000,00
Apoiadores
62
Encerrada
  • Sobre
  • Novidades
  • Quem ajudou
  • Corações Recebidos
  • Mensagens

Trecho do texto de apresentação do livro que ganhei de presente do amigo jornalista João Henrique Eugênio e que se você ajudar, em Setembro estará nas livrarias!)

"(...)Até que, em 2010, Laura resolveu criar um blog. Era uma ferramenta de promoção profissional cheia de artigos bem escritos, interessantes, inteligentes, palavras rebuscadas e tudo sobre as grandes tendências do marketing. Mas ninguém lia. Só mesmo uns poucos amigos e parentes que tinham obrigação afetiva (quiçá sanguínea) de ler. Inteligente, Laura Barreto resolveu aplicar o conhecimento sobre o qual escrevia e concluiu que sobre marketing, havia muita gente que falava com mais propriedade do que ela. Escreveria, então, sobre algo que faz e fala melhor do que todo mundo: “merda”. 

Nasceu o Ócio do Ofício. Coleção de textos, casos e causos sobre seu cotidiano, história, família, amigos, filhas e qualquer outra coisa que lhe dê na telha. Sempre em parceria de Pedro Augusto, seu neurônio alone, em cinco anos Laura já tem mais de mil postagens, 1500 visualizações únicas diárias no blog e a incrível marca dos 100 mil seguidores na página do Facebook. Sem contar os vários admiradores que comentam os textos e que já a reconheceram na rua, padarias, supermercados e até diretorias de grandes empresas. 

Se começou como diário online onde suas filhas pudessem conhecê-la melhor, o Ócio do Ofício se tornou quase um manual do mundo contemporâneo sobre quase tudo. Em nenhum outro lugar, por exemplo, podemos aprender qual é o melhor lugar de paquera pra mulheres de mais de 30 anos em Belo Horizonte (adaptável para qualquer lugar do mundo), ou mesmo como completar 42.195km de uma maratona com a dor de uma periostite em plena evolução para fratura vertical no fêmur.

 

Pois é. Essa foi a mais recente conquista de Laura Barreto. Mas, por que alguém se colocaria pra correr uma maratona inteira nessa condição de saúde? Ela correu por suas filhas, por ela mesma e, também, pelo Instituto Mario Penna, que trata pacientes do câncer em BH. Laura tinha a meta de completar a Maratona de Rotterdam, na Holanda, e criou o projeto “Vou Correndo” para oficializar a parceria com uma empresa que acreditou nela e se dispôs a doar um real para o Mario Penna para cada pessoa na frente de quem ela chegasse. Laura, que já corria pra manter a forma, começou a treinar 200 dias antes da prova. Chamou gente experiente pra ajuda-la, mas a vida lhe passou uma rasteira, novamente, e trouxe a tal da periostite.

 Foi muita dor, mas o compromisso estava feito. Laura terminou a corrida. Dessa história ficou a descoberta de ser mais forte do que pensava que era, o gosto pelo esporte e a vontade de continuar ajudando. Sua nova meta é conquistar a Maratona da Grande Muralha, no projeto “Por você vou correndo até a China”, com mais apoiadores e beneficiados.

 Eu acho que é isso o que faz tanta gente gostar dessa mulher. Ler seus textos. Rir com ela de besteiras no Facebook. Acreditar que aos 45 anos ela completaria sua primeira maratona. Laura Barreto é gente como a gente, e não tem medo de contar sua história, expor seus conflitos e vitórias. De um jeito que todo mundo acaba se identificando com alguma coisa. E esse Ócio do Oficio vira uma terapia não só pra ela, mas também pra quem lê, que pode aprender com uma experiência, ou apenas melhorar o dia com uma boa gargalhada.

 Laura Barreto é mulher de coragem. E, como aprendi com ela, coragem é palavra que vem do latim e significa agir com o coração. Continue agindo com o coração, Laura, seja pessoalmente, blog, show de stand up e, agora, livro.

Encerrada
AVISO LEGAL: O texto e as imagens incluídos nessa página são de única e exclusiva responsabilidade do criador da vaquinha e não representam a opinião ou endosso da plataforma Vakinha.