Quem somos

Quem somos vakinha

A ideia do Vakinha surgiu em 2006, no casamento do sócio-fundador, Luiz Felipe Gheller, quando o Fabrício Milesi, atual CEO da empresa, ficou encarregado de arrecadar os presentes na forma de dinheiro, algo cada vez mais comum nos dias de hoje.

Na ocasião, o Fabrício procurou sites que pudessem ajudá-lo a organizar o recebimento do dinheiro, mas não encontrou. Frustrado com a inexistência de uma solução desse tipo, ele enxergou aí uma oportunidade de negócio, mas ainda não tinha muito claro como poderia ser. Só tinha uma certeza: existia uma oportunidade.

Com isso em mente, convidou Luiz Felipe e outro amigo, Diego Izquierdo, para amadurecer a ideia e iniciar um negócio. Foram longas as discussões entre os três sócios. "A ideia ficou guardada por dois anos até que a empresa onde eu e o Diego trabalhávamos fechou e decidimos tocar a ideia em frente. Chegamos ao conceito da vaquinha e conseguimos investidores que financiaram o desenvolvimento do piloto", conta Fabrício.

Em janeiro de 2009, o Vakinha foi lançado com uma proposta muito simples: levar a prática de fazer uma vaquinha para a internet. Esse conceito, com o lançamento e sucesso do Kickstarter, nos Estados Unidos, ficou posteriormente conhecido como crowdfunding (apesar das diferenças que preservamos no nosso modelo).

Para agregar credibilidade, fizeram uma parceria com o UOL, que se tornou responsável pela guarda do dinheiro. Com o crescimento do site, e a necessidade cada vez maior de ferramentas específicas, o Vakinha passou a operar de forma independente no mercado a partir de setembro de 2009, quando o Diego (por motivos pessoais) também saiu do negócio.

Os primeiros anos foram muito complicados. Mesmo com indicativos de que o site crescia, o volume transacionado não compensava os desgastes. Negociações frustradas com grandes empresas também minavam a cabeça dos empreendedores, que sabiam que não desistir seria fundamental.

Após o período de dificuldade, o site começou a crescer de forma mais rápida. Mudanças culturais, o crescimento do crowdfunding como um todo no Brasil, o crescimento das redes sociais, Facebook, Twitter e tantas outras plataformas aceleraram o uso e a confiança no Vakinha.

Finalmente, em 2013, o Vakinha atingiu o ponto de equilíbrio, sem mais necessidade de nenhum aporte dos investidores que sempre estiveram presentes quando necessário (e não foram poucas vezes!).

Em 2015 o Vakinha enfim lançou sua nova plataforma, desenhada desde 2013, com uma série de ferramentas planejadas especificamente para esse novo mercado, incluindo grandes diferenciais: ferramentas de antifraude própria e negociação com meios de pagamentos que permitiram ao site ter as taxas mais baixas do mercado.

A empresa teve também a entrada de mais um sócio, Cristiano Meditsch, proprietário da Super Comunicação, desde sempre responsável pela criação da marca, layout do site e peças publicitárias.

Atualmente o Vakinha é o maior site do gênero no país, com mais de 400 mil vaquinhas abertas e mais de 20 milhões de reais arrecadados. Hoje, a empresa atua com uma equipe que envolve 12 pessoas.

Os Empreendedores agradecem: O nosso muito obrigado às pessoas que nos auxiliaram durante esses anos de vida:

  • Jaime Wagner – nosso investidor Anjo e Coach. E demais investidores.
  • Lúcio Vargas – Consultor, fundamental em diversos momentos decisivos do Vakinha.
  • Tiago Ritter e Alessandro Cauduro – W3Haus. Responsáveis pelo desenvolvimento do piloto do Vakinha.
  • Guilherme Rudnitizki e Edu Lima – Rumo Informática. Parceiros desde o início do site.
  • Maria Emília Farto – Assessora de Imprensa – Polo de Comunicação.
  • Marcos Rasta e Guilherme Corsetti – BASE – ajudaram no lançamento da nova plataforma.
  • Flávio Steffens e Marcus Sá – Bicharia.