Cover 40474637 1382553545211502 6645321546678140928 n
Thumb 15337428 934051703395024 3437072020967182787 n

Vakinha de
Cássio Fernando Silva
Vicente Dutra/RS

ReStart- Aquele 1%.

Objetivo
R$ 50.000,00
Arrecadado
R$ 13.848,00
$ contribua

Meu nome é Cássio, sou gaúcho e tenho 27 anos. Há 6 anos convivo com uma doença neurodegenerativa. Desde então, luto diariamente para que ela não avance e com o auxílio do remédio Edaravone, isso foi possível.O remédio possuí investimento alto e dura apenas seis meses, já que ele vem do Japão. O valor arrecadado seria para um ano do meu tratamento. A tua solidariedade me motiva a continuar.

Criada em
30/10/2018
Encerra em
20/01/2019

Para que você conheça minha história, peço licença para contá-la. Sou Cássio Fernando Silva, tenho 27 anos, sou gaúcho e Gremista fanático. Moro em Vicente Dutra, a 455 km de Porto Alegre, capital do RS .  Há 6 anos convivo com uma doença neurodegenerativa.Desde então, luto diariamente para que ela não avance, para isso necessito de um medicamento  importado do Japão  chamado Edaravone com alto custo financeiro.  Já experimentei  por 6 meses com resultados positivos, porém  preciso continuar com o tratamento. O valor  arrecadado seria para mais um ano de medicação.  Realizei alguns sonhos da minha vida: saltar de paraquedas e conhecer esse ano (2018) o time do Grêmio. Mas isso, é uma parte boa de tudo o que eu estou passando.

Foi assim que tudo começou...

Aos 21 anos, vi minha vida mudar completamente,na época estudante de Administração, em julho de 2012, comecei a sentir problemas para mover a mão esquerda, a qual utilizava para escrever. Três meses depois, nada se alterou, o que causou preocupação.

Com meus pais, procurei ajuda e fiz a primeira consulta com um neurologista. Recebi o diagnóstico de Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), uma doença neurodegenerativa que afeta os neurônios motores com perda dos músculos  afetando  os movimentos, deglutição,  fala, entre outros. Minha vida mudou totalmente ,a partir daí,tive vários episódios de angústia e tristeza, pois a doença tomava meu corpo sem dó. Meu primeiro momento de desespero foi quando eu não conseguia mais tirar minha própria camiseta sozinho.

Passei por sete outros neurologistas , Rs, SC, PR e SP, que atestaram ser ELA. Embora desacreditada, minha família prosseguiu a busca por recursos e, então, descobrimos a existência de um médico em São Paulo que poderia ajudar no caso.

Fundador da Patologia Muscular na Escola Paulista de Medicina, o neurologista e patologista Beny Schmidt me submeteu a uma biópsia e deu outro diagnóstico. Segundo Schmidt, uma doença do neurônio motor indefinida.

O tempo do tratamento multidisciplinar previsto para que eu me recuperace era de três anos com um custo de R$ 100 mil por mês, em média. Cheguei a fazer seis meses de tratamento na clínica de reabilitação  neuroligica aquática em SP com acompangamento do  médico e especialistas em doenças neurológicas , obtive resultados positivos , mas minhas condições financeiras não me proporcionaram continuar o tratamento.

Voltei para Vicente Dutra e senti os impactos do retrocesso. Tarefas simples, como beber água, caminhar ou sentar,  só podiam ser feitas com o auxílio de alguém da minha família. Tive que me mudar para a casa da minha avó, pois minha mãe mora em apartamento e subir a escadaria se tornou difícil.

Minha mãe é professora e cumpria carga horária de 20 horas no município , pediu licença-saúde para me acompanhar   e atualmente tem 20 horas no Estado. Pagou por mais de 15 anos o Instituto de Previdência do Estado do Rio Grande do Sul (Ipergs), onde sou dependente , ao acioná-lo, para  custear oa despesas do tratamento em SP,teve o pedido negado ou não obteve resposta.

Realizamos uma grande mobilização para que o Ipergs liberasse o meu tratamento e, depois de muita luta conseguimos o tratamento Home Care. Faço todos eles em minha cidade e, estou tendo resultados positivos. Mas foi aí que me apresentaram um novo medicamento, para um caso parecido com o meu. Infelizmente, os meus recursos para a compra são limitados, pois ele vem do Japão e dura apenas 6 meses. O remédio, Edaravone, que vem ajuda no combate, prevenção de possível evolução para um quadro mais grave. Possibilitando o atraso e até mesmo estabilizando a minha doença.

Por esse motivo, resolvemos criar essa "vakinha" para arrecadar o valor para um ano de tratamento. E agora, eu preciso De você.

Preciso da sua ajuda para seguir no meu tratamento.

Pois, enquanto houver 1% de chance de dar certo, eu vou lutar.

$ contribua

Novidades (0)

Quem ajudou (144)

  • Carolina Stefanello
    em 12 de Novembro de 2018 diz: Cassio, sei que não é muito que estamos depositando, mas é oque podemos agora. Essa doação é em meu nome e do Wilson Konflanz! Estamos na torcida por ti💪🏻 Abraços Carolina Stefanello

  • anônimo
    em 12 de Novembro de 2018 diz: Cassio!! É um guerreiro, continue forte e pensando positivo!! Que Deus esteja sempre contigo. Tudo dará certo, abraços, Giane

  • Rafael Fagan
    em 12 de Novembro de 2018

  • Jacson Schneider
    em 11 de Novembro de 2018 diz: Boa sorte. Que Deus o ilumine.

  • anônimo
    em 11 de Novembro de 2018

  • Ricardo Wunderlich Pritsch
    em 11 de Novembro de 2018

  • anônimo
    em 11 de Novembro de 2018 diz: Vai dar tudo certo!

  • Barbieri Ferreira Weisshahn
    em 11 de Novembro de 2018

Denuncie

Iremos verificar sua denúncia e entrar em contato com o dono da Vakinha.