Cover image1
Thumb logo teste vakinha

Vakinha de
COLETIVO PULSAR MARAJOARA
/PA

I Festival Marajoara de Cultura Amazônica

Objetivo
R$ 35.000,00
Arrecadado
R$ 2.090,00
$ contribua

O I Festival Marajoara de Cultura Amazônica acontecerá em julho de 2018 na Ilha do Marajó. O evento possui uma variada programação de cultura popular amazônica e pretende resgatar e divulgar as manifestações culturais da região. Assim, pedimos sua contribuição para nos ajudar a realizar o Festival.

Criada em
25/05/2018
Encerra em
31/07/2018

O I Festival Marajoara de Cultura Amazônica consiste na realização de um evento em 2018, no qual teremos manifestações artísticas de dança, cinema e música, envolvendo artistas locais (Salvaterra e Soure) e da Região Metropolitana de Belém. O Festival ocorrerá nos dias 12, 13, 14 e 15 de julho em Salvaterra e Soure, no arquipélago do Marajó, Pará, Amazônia, Brasil.

Sendo assim, queremos:

Oferecer oficinas preparatórias para a juventude quilombola e para os professores do Educação Básica, em especial os professores-alunos do Programa Nacional de Formação de Professores da Educação Básica - PARFOR, da Universidade do Estado do Pará - UEPA e Universidade Federal do Pará - UFPA;

Oferecer oficinas de Grafite, Banjo, Instrumentos, Teatro, Música/Canto, entre outras, com a Parceria da Fundação Cultural do Pará, para a comunidade quilombola.

Realizar quatro dias de Festival (programação detalhada mais abaixo).

Promover o intercâmbio dos Mestres da cultura popular Marajoara.

Fortalecer e valorizar a identidade cultural do Marajó.

Estimular a manifestação do Búfalo-Bumbá.

Impulsionar a produção musical dos mestres e grupos Arte e Cultura para o povo de carimbó.

 

JUSTIFICATIVA

O Festival Marajoara de Cultura Amazônica é um evento de grande importância no contexto social e cultural do arquipélago do Marajó, uma vez que sua organização surge exatamente pela ausência de manifestações que coloquem em circulação a cultura tradicional local.

O projeto visa colocar em evidência a tradição marajoara, devolvendo suas manifestações às ruas, valorizando os Mestres e Mestras da cultura popular que estavam esquecidos e desvalorizados devido ao grande apelo musical da atualidade.

É um evento importante porque visa resgatar e acima de tudo fortalecer o histórico cultural da região, colocando os artistas e seus saberes em evidência e dando oportunidade para que as novas gerações conheçam e se interessem por essa tão rica tradição local.

O nosso maior objetivo é colocar a cultura popular tradicional novamente nas ruas, ajudar na sensibilização da população para a importância de valorização da cultura marajoara, proporcionando meios para que tenham autonomia de fazer suas intervenções nas ruas e nas praças, além de qualificá-los a fazer os registros audiovisuais de suas histórias e suas culturas.

 

CONTRAPARTIDA

A realização do Festival Marajoara de Cultura Amazônica, em julho de 2018, compreende 04 (quatro) dias de programação nas cidades de Salvaterra e Soure e Comunidades Quilombolas de Salvaterra, proporcionando a troca de experiências entre os mestres de cultura, os quilombolas e artistas da Região Metropolitana de Belém, além de favorecer acesso à comunidade em geral de forma gratuita, à produção musical, audiovisual e espetáculos de danças, ocupando ruas e praças locais.

O evento conta também com uma programação de 07 oficinas, com o parceria da Fundação Cultural do Pará, que serão prestadas às comunidades quilombolas e aos professores-alunos do PARFOR.

 

PÚBLICO

O público alvo é composto pela população dos municípios de Salvaterra e Soure, Comunidades Quilombolas de Salvaterra e os turistas que costumam visitar o Marajó no mês de julho, que é o mês das férias escolares e considerado alta temporada do verão amazônico.

O Projeto prevê, como público participante, o total de 3.000 (três mil) participantes durante os quatro dias de evento.

Vale ressaltar que o Festival é adequado para todas as faixas etárias, fazendo com que as crianças envolvidas vivenciem as manifestações culturais populares (luau, boi-bumbá) que eram tão comuns na época de seus avós, e que esses senhores/idosos, por sua vez, revivam aquela lembrança dos tempos da juventude.

 

PROGRAMAÇÃO 2018

1° Dia: 12/07/2018 (quinta-feira):

FEIJOADA NO CARIMBÓ

LOCAL: Soure – Sede do Grupo de Tradições Marajoara Cruzeirinho

HORÁRIO: 09h às 18h. Durante a programação Drika Chagas fará uma intervenção artística na fachada da sede do Cruzeirinho.

 

2° Dia: 13/07/2018 (Sexta-feira):

Atividade 1: FESTA DE QUILOMBO

LOCAL: Bairro Alto (Salvaterra)

HORÁRIO: 09h às 15h

1. Passeio Ciclístico. Ponto de encontro e partida, Praça das Comunicações em Salvaterra.

2. Exibição de animações e curtas metragens.

 

Atividade 2: Luau.

LOCAL: Pousada Dom Mélo - Salvaterra.

HORÁRIO: 20h às 04h.

Atrações: Anselmo Borges; Alfredo Reis; Betão; Mestre Damasceno; Atrás do Tempo; Allan Carvalho; Bauretz; Guel Pantoja; Jeff Morais; Eliezer Aviz; Renata Beckman; Lourival Igarapé; e Renato Rosas.

 

3° Dia: 14/07/2018 (Sábado): Tambores do Pacoval.

LOCAL: Soure – Sede do Grupo dos Tambores do Pacoval.

HORÁRIO: A partir das 20h.

Obs.: Homenagem ao Mestre Regatão falecido este ano.

 

4° Dia: 15/07/2018 (Domingo): Arrastão Cultural e Encerramento.

Atividade 1: Cortejo do Carimbúfalo

LOCAL: Salvaterra.

HORÁRIO: 14h às 19h.

1. Concentração na orla da Praia Grande com destino a Praça das Comunicações.

2. Grupos tradicionais: Tambores do Pacoval (Soure); Eco Marajoara (Soure); Cruzeirinho (Soure); Mestre Damasceno e os Nativos Marajoara (Salvaterra) e participações de Mestre Zampa e Mestre Vavá.

 

Atividade 2: Show de Encerramento.

LOCAL: Salvaterra.

HORÁRIO: a partir as 20h.

 

Atrações:

Homenagem ao Mestre Regatão - Tambores do Pacoval (Soure);

Grupo de Tradições Marajoara Cruzeirinho (Soure);

Grupo Quilombola Mestre Zampa (Bairro Alto);

Mestre Damasceno e os Nativos Marajoara (Salvaterra);

Cobra Venenosa;

Zimba Groove;

Allan Carvalho e Luís Girard - Sentinelas do Norte;

Ronaldo Silva;

Ita Lemi Sinavuru.

 

PROGRAMAÇÃO DAS OFICINAS:

 

1. Produção Audiovisual: Gilberto Mendonça – Campus UEPA – Salvaterra (02 a 06 de julho).

2. Construção de Instrumentos de Percussão: Lourival Igarapé – Comunidade Quilombola Bairro Alto – Salvaterra (02 a 06 de julho).

3. Ritmos de Percussão: Nazaco – Comunidade Quilombola Bacabal – Salvaterra (02 a 06 de julho).

4. Banjo: Luizinho Lins – Comunidade Quilombola Pau Furado – Salvaterra (02 a 06 de julho).

5. Canto: Nanna Reis – Comunidade Quilombola Caldeirão – Salvaterra (02 a 06 de julho).

6. Teatro: Jeff Moraes – Comunidade Quilombola Caldeirão – Salvaterra (02 a 06 de julho).

7. Grafite: Drika Chagas – Sede do Grupo Folclórico Cruzeirinho – Soure (07 a 12 de julho).

*Outras oficinas estão sendo definidas e devem entrar na programação nos próximos dias.

 

COTAS DE APOIO:

1- Cota Diamante - Incentivando o Festival com o valor de R$5.000,00 (cinco mil reais) o colaborador recebe a chancela de PATROCÍNIO e terá seu nome ou logo veiculado em todas as artes do evento com maior destaque em tamanho e visibilidade, além de ser mencionado nas entrevistas nas rádio, TV e WEB e Spots, por meio da assessoria de imprensa e o Colaborador e ganha camisa e foto do Marajó.

2- Cota Platina - Com o incentivo de R$1.000,00 (mil reais) o colaborador passa a ter a inclusão de sua logo veiculada como Apoio Cultural nas peças de divulgação do evento e nos meios eletrônicos de divulgação o Colaborador e ganha camisa e foto do Marajó.

3- Cota Ouro - Com o incentivo de R$500,00 (quinhentos reais) o colaborador tem seu nome (apenas o nome) nos cartazes do evento, será mencionado nas redes sociais do evento como Colaborador Especial e ganha camisa e foto do Marajó.

4- Cota Prata - O colaborador que incentivar com R$100,00 (cem reais) será mencionado nas redes sociais do evento como Colaborador e ganha camisa e foto do Marajó.

5- Cota Bronze - Ao incentivar o Festival com o valor de R$50,00 (cinquenta reais) será mencionado nas redes sociais do evento como Colaborador e ganha foto do Marajó.

6- Cota Cobre - O colaborador que incentivar com R$20,00 (vinte reais) será mencionado nas redes sociais do evento como Colaborador.  

Você pode acompanhar todas as nossas ações pela página oficial do Festival Marajoara de Cultura Amazônica no facebook pelas redes sociais:

Facebook: https://www.facebook.com/festivalmarajoara/

Instagram: https://www.instagram.com/festivalmarajoara/

 

REALIZAÇÃO:

 

APOIO:

 

APOIO INSTITUCIONAL:

 

 

APOIO CULTURAL:

 

PARCERIA:

 

$ contribua

Novidades (0)

Quem ajudou (25)

  • anônimo
    em 20 de Julho de 2018 diz: Vida longa ao Festival!

  • Willys Lins
    em 10 de Julho de 2018 diz: Fico feliz em poder dar uma pequena contribuição para este importante e fundamental projeto. O Festival Marajoara de Cultura de Amazônica é um verdadeiro portal de significações e resgate da cultura dos nossos ancestrais em uma cena importante da contemporaneidade amazônida. Por isso, muito me orgulha participar e verificar como esses sujeitos de passado e futuro irão acontecer (se realizarem?) através de uma emblemática manifestação popular marcada por dança, cinema e música no território marajoara, mas especificamente em Soure e Salvaterra.

  • ROBSON DOS SANTOS BASTOS
    em 01 de Julho de 2018 diz: Doação efetuada. Torcendo para que seja um ótimo festival. Parabéns aos organizadores pela iniciativa.

  • Renata Aguiar
    em 29 de Junho de 2018

  • anônimo
    em 29 de Junho de 2018

  • Maria de Nazaré Barreto TRindade
    em 26 de Junho de 2018 diz: A história do povo paraense que mora em rincões dessas amazônias precisa ser escrita. E nada mais saudável e propicio para fazer emergir as diferentes formas de expressão da cultura quanto um festival. Por isso parabenizo os organizadores, os brincantes, os pensantes desse Festival Marajoara. Longa vida à arte e à cultura. Muito axé para nós todos. E vamos lá dançar....

  • Marinor Jorge Brito
    em 25 de Junho de 2018

  • Marilene Valente
    em 22 de Junho de 2018 diz: Acredito na força de nossa cultura e na resistência coletiva para mante-lá viva.

Denuncie

Iremos verificar sua denúncia e entrar em contato com o dono da Vakinha.