Cover img 20190823 wa0055
Thumb img 20190819 wa0040

Vakinha de
Odilia Nunes
/

Festival CHAMA VIOLETA II edição

ID da vaquinha: 692667

Copiar url:

Objetivo
R$ 15.000,00
Arrecadado
R$ 15.965,00

O CHAMA VIOLETA é um festival de artes que acontece entre o dia 1º e 3 de novembro na comunidade rural MINADOURO, município de Ingazeira no alto sertão do Pajeú pernambucano. O festival integra ações do projeto permanente nesta comunidade: NO MEU TERREIRO TEM ARTE, atuante desde outubro de 2015. O projeto é uma iniciativa independente da artista e produtora Odília Nunes.

Criada em
24/08/2019
Encerra em
02/10/2019

 

 

 

 

 

 

Esta meta de 15.000,00 será para garantir:

1. Estrutura de som e luz para todos os espetáculos.  2. Logística de hospedagem, alimentação e transporte para os 60 artistas envolvidos nesta segunda edição.

Nesta segunda edição, a comunidade irá receber oficinas de cinema e pintura de painéis, além de uma extensa programação artística durante os três dias de evento. Palestra sobre inclusão, lançamento de livro infantil ,  espetáculos de dança, teatro e circo, cinema, música, poesia, cultura popular e rodas de conversa ocuparão os terreiros das casas, transformando a comunidade numa mina de arte e cultura.

NO MEU TERREIRO TEM ARTE propõe uma combinação de ações que envolvem a artista Odília Nunes, grupos e artistas que recebe em sua casa no Sítio Minadouro e a comunidade. O mote do projeto são as apresentações de espetáculos gratuitos realizadas nos terreiros (quintais) das casas da comunidade e a realização de oficinas criativas na escola municipal local. Nos últimos três anos, os terreiros do Minadouro receberam espetáculos teatrais, narração de histórias, espetáculos de dança, serenata musical, exposição fotográfica, saída de palhaços, espetáculos circenses, shows de música. A escola municipal recebeu oficinas de música, dança, teatro e conscientização ambiental. 

O projeto é independente, não tem qualquer incentivo público ou privado, e conta com a amizade e a generosidade dos seus parceiros. A contrapartida da realizadora é hospedagem solidária, alimentação e a possibilidade de troca com um público tão especial. O projeto tem tentado oferecer espetáculos uma vez por mês nos terreiros de Odília e de seus vizinhos. A cada apresentação uma nova família recebe a brincadeira ou, em caso de chuva, a igrejinha da comunidade. A estadia de cada grupo participante do projeto é aproveitada ao máximo, com a promoção de apresentações, oficinas e debates

Em Novembro de 2018 o projeto foi ampliado com a criação da I edição do festival Chama Violeta, no desejo de dar um passo adiante, programando na comunidade um festival cultural como nos grandes centros urbanos, mas com uma programação que se proponha dialogar com o público do campo, obras que conversem e valorizem a realidade das pessoas que aqui vivem. O II CHAMA VIOLETA se faz de fundamental importância para o Sertão do Pajeú e para o interior do estado de modo geral, pelo caráter descentralizador dos bens culturais, pelos intercâmbios e a circulação dos artistas do estado e do país, como também por mostrar alternativas para promoção cultural longe dos grandes centros e em regiões que não possuem equipamentos culturais públicos.

Acredita-se que sua realização serve de inspiração para outros projetos semelhantes que pensem descentralização, diversidade, intercâmbio e sustentabilidade.

 

 

Novidades (0)

Quem ajudou (179)

  • Denise Pimentel
    em 05 de Outubro de 2019

  • DELMA JÚLIA
    em 03 de Outubro de 2019

  • anônimo
    em 02 de Outubro de 2019

  • Maria Eugênia Alves de Almeida
    em 02 de Outubro de 2019

  • Poliana S. Silva
    em 02 de Outubro de 2019

  • FELIPE ABREU PEREIRA
    em 02 de Outubro de 2019

  • Aparecida Elzita Pereira dos Anjos
    em 02 de Outubro de 2019

  • Tati de Souza
    em 02 de Outubro de 2019

Denuncie

É necessário estar identificado para fazer uma denúncia. Registre-se ou faça login.

AVISO LEGAL: O texto e as imagens incluídos nessa página são de única e exclusiva responsabilidade do criador da vaquinha e não representam a opinião ou endosso da plataforma Vakinha.