Cover 4
Thumb 13240508 615725358575105 5282433035448227458 n

Vakinha de
Fabiana Pinto Fernandes
/

#FabiNaOMS - Mulheres negras movendo estruturas

Objetivo
R$ 15.000,00
Arrecadado
R$ 4.205,00
$ contribua

Sou estudante cotista da graduação de Saúde Coletiva. Me ajude ir à Conferência Internacional sobre Cuidados Primários em Saúde, realizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que acontecerá em Outubro, no Cazaquistão.

Criada em
09/08/2018
Encerra em
16/09/2018

Olá, muito obrigada por acessar minha página de financiamento coletivo.    Me chamo Fabiana, sou estudante cotista da graduação de Saúde Coletiva, da UFRJ e fui selecionada pelo Instituto Global Attitude e o programa Diplomacia Civil, para representar o Brasil junto a outros cinco jovens na Global Conference on Primary Health Care da Organização Mundial da Saúde (OMS), que acontecerá em outubro na cidade de Astana, no Cazaquistão, em comemoração a primeira edição dessa importante conferência, ocorrida anos atrás em Alma-Ata. O programa, bem como a viagem precisam ser custeados pelos participantes, o valor para viagem é alto e infelizmente, como tantos outros jovens do ensino superior do Brasil, a falta de recurso financeiro é meu principal obstáculo para conseguir participar do programa e desse grande evento internacional.

Para explicar o porquê preciso de seu apoio, escolhi contar uma breve história da minha vida e minha trajetória junto à Saúde Coletiva e a Saúde Pública, para que você entenda como cheguei até aqui, para onde estou querendo ir e porquê sua ajuda é tão importante para mim. Sou de Nilópolis, na Baixada Fluminense, Rio de Janeiro. Estudei na escola técnica estadual Fundação de Apoio à Escola Técnica Estadual (FAETEC), em Quintino durante todo meu ensino médio e aos 17 anos ingressei na Universidade Federal do Rio de Janeiro, no curso de Nutrição. Durante a Nutrição pude integrar diversos projetos de promoção de saúde de idosos ou ainda, projetos fora do âmbito acadêmico, como a Revista Capitolina, onde escrevi por 2 anos e pude durante aquele período participar de rodas de conversa, atividades com meninas e jovens mulheres, debatendo feminismo, feminismo negro, o papel da mulher em nossa sociedade, política e tantas outras questões que nortearam a minha militância enquanto feminista negra, lançando em 2017 o livro "Capitolina - O poder é das garotas", em co-autoria com outras mulheres, trata-se um livro destinado à meninas e jovens mulheres, lançado pela Editora Seguinte, da Companhia das Letras, onde discuto tradiação oral como forma de preservação de culturas e práticas culturas em nosso país.

 

Roda de conversa Mulheres Mobilizadas - Rio de Janeiro, 2016

Roda de Conversa "Mulheres Multidão", em comemoração ao Dia da Mulher - Rio de Janeiro, 2016.

Roda de conversa da Agora Juntas. Rio de Janeiro, 2017.

 

Apresentação do livro Capitolina na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2017.

 

Roda de conversa "Web ativistas com Marielle Franco". Rio de Janeiro, 2017.  

Desde então, participei e sigo participando de diversas articulações de mulheres negras, movimentos em defesa da democracia, de mulheres negras, do movimento estudantil da Saúde Coletiva e contra os cortes no SUS, pesquisa e educação em nosso país. Atuando também, já em 2018, como articuladora da campanha #MulheresNegrasDecidem da Rede Umunna, uma rede de mulheres voltada para o fortalecimento de mulheres negras na política a partir de evidências e dados abertos de governo. 

Campanha #MulheresNegrasDecidem da Rede Umunna, por mais mulheres negras na política. Rio de Janeiro, 2018.

Em 2016, após passar por uma fase difícil na minha vida decidir sair da graduação de Nutrição, nesse momento ingressei na graduação de Saúde Coletiva, curso pelo qual me apaixonei desde o primeiro dia, por suas discussões, valores pregados e otão nobre que era defender, fortalecer e ajudar a construir não apenas a saúde coletiva e a saúde pública, como o nosso maior patrimônio nacional, o Sistema Único de Saúde (SUS).

Encontrei nessa nova, muitas vezes desacreditada, mas tão potente graduação, os desejos e ideais pelos quais sei que valem a pena se lutar. Venho construindo junto aos meus colegas não apenas minha formação enquanto acadêmica e sanitarista, mas também minha formação cidadã. A Saúde Coletiva como projeto de sociedade que, tanto falamos em nossa graduação, passa não apenas por instituições de ensino ou pesquisa, mas por todas as esferas de nossa sociedade, desde a comunidade acadêmica, aos profissionais de saúde, usuários dos serviços de saúde e todos que defendem a saúde pública de qualidade, através de ações de solidariedade ao próximo, de afeto, cuidado e fortalecimento de valores que por vezes são esquecidos na sociedade em que vivemos.

Encontro de Jovens em Defesa do SUS - Belo Horizonte, 2017. Em 2017 ainda no segundo período da graduação de Saúde Coletiva, consegui uma bolsa de Iniciação Científica na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), para participar do projeto de pesquisa sobre a História da Atenção Primária à Saúde no Brasil. Em minha pesquisa, me dedico a estudar o processo de construção da Política Nacional de Atenção Básica (PNAB), uma política importante para nosso sistema de saúde, fruto de anos de lutas de movimentos sociais de saúde e inúmeros esforços de atores políticos, essa política consolida a Atenção Básica ou, Atenção Primária à Saúde como orientadora de nosso sistema único de saúde.

No mesmo ano, graças ao estágio obrigatório da minha graduação, pude ficar quase um ano estagiando no Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria, da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/Fiocruz), onde pude vivenciar a atenção primária à saúde na prática e então me encantar ainda mais pelo meu tema de estudo,  a atenção que as equipes tratavam a população, a forma que as equipes resolviam os mais diferentes problemas em um piscar de olhos, a gestão do cuidado sendo feita com tanto amor e respeito,  me fizeram perceber que eu queria, sem sombra de dúvidas, dedicar minha vida a atuar e fazer pesquisa na atenção primária à saúde.

Roda de conversa com profissionais da Clínica da Família Victor Valla. Rio de Janeiro, 2017.

Profissionais do Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria (ENSP/Fiocruz), durante o estágio em Coordenação do Cuidado. Rio de Janeiro, 2017.

Naquele ano apresentei os trabalhos que foram fruto da minha pesquisa e período imersa no campo em semanas científicas, seminários e congressos, além disso pude construir e discutir não apenas como as políticas de saúde eram implementadas em nosso país, como também quais eram os fatores limitantes dela na prática, no cenário que vivemos no Rio de Janeiro, e nesse caso, minha pesquisa proveniente do campo se debruça nos impactos da violência para a efetivação da estratágia de saúde da família.

Apresentação de trabalho durante a Semana Científica do Hospital Escola São Francisco de Assis (UFRJ). Rio de Janeiro, 2017.

Já nesse ano de 2018, mais uma vez me vi imersa na construção do movimento em defesa do SUS e da saúde coletiva... Participei da construção de dois grandes eventos da saúde coletiva em âmbito nacional sendo um deles, o VIII Encontro Nacional de Estudantes de Saúde Coletiva, que ocorreu na UFRJ, onde participei desde sua concepção, cuidando junto de outros colegas de cada detalhe desse histórico momento para a  graduação em Saúde Coletiva Nacional. Já no segundo evento, o 12º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva (ABRASCÃO 2018), atuei na Subcomissão de Mobilização Social e participei da mesa "Formação em Saúde e Movimentos Sociais", discutindo a importância de experiências de articulação e construção entre movimentos sociais para os processos de formação em saúde tanto na graduação, quanto na pós-graduação.

Reunião da Subcomissão de Mobilização Social, para a organização do 12º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, 2018.

Reunião de estudantes e discentes da Saúde Coletiva de todo o Brasil. Rio de Janeiro, 2018.

Encontro Nacional de Estudantes de Saúde Coletiva, mesa "Políticas de austeridade e seus impactos no SUS". Rio de Janeiro, 2018.

Reunião do Fórum de Graduação em Saúde Coletiva da Associação Brasileira de Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, 2018.

 

12º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, mesa "Formação em Saúde e Movimentos Sociais". Rio de Janeiro, 2018.

Venho economizando desde que soube da minha aprovação no processo seletivo, mesmo assim minhas economias não serão suficientes para custear uma viagem tão cara. Por isso decidi não desistir e acreditar que é possível sonharmos para além dos muros que tantas vezes nos prendem e nos impedem de realizar novas conquistas. É com esse espírito de luta coletiva e solidariedade, que a Saúde Coletiva e o movimento de mulheres negras me ensinam todos os dias, que venho pedir sua colaboração. Peço que doem para essa campanha, compartilhem com amigos próximos e me ajudem a dar mais esse grande passo na minha formação de sanitarista. 

AbraSUS de luta,

Fabiana Pinto Fernandes

 O que o valor de R$15.000,00 estará cobrindo?

R$6.050,00 -  Custo do Programa Diplomacia Civil/ Global Attitude (translado aeroporto-hotel-aeroporto, seguro viagem, hospedagem, participação, café da manhã, workshops de capacitação, acompanhamento de orientador etc.)   R$9.000,00 - Valor estimado de passagem aérea para cidade o Cazaquistão. O maior custo para tornar esse sonho realidade, é o das passagens aéreas... Por se tratar de um país tão distante  e pelo período do evento ser um momento de grande saída e oscilação de valores nas viagens. Lembrando que esses valores de passagens aéreas ainda podem mudar até a data do fechamento da Vakinha e da compra dos bilhetes, mas fiz uma estimativa otimista e espero que dê certo.

Se quiserem saber mais sobre meu projeto de ir para Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde, da Organização Mundial da Saúde em Astana, no Cazaquistão entre em contato comigo via e-mail (fabiana.pintof@gmail.com) ou pelo Whats App (021 98888 2588).

TODA E QUALQUER AJUDA É BEM VINDA!

 

$ contribua

Novidades (2)

Fabiana Pinto Fernandes alterou o título da vaquinha em 09 de Agosto de 2018:

De #FabiNaOMS - Organização Mundial da Saúde/ Cazaquistão para #FabiNaOMS - Mulheres negras movendo estruturas

Fabiana Pinto Fernandes alterou o título da vaquinha em 09 de Agosto de 2018:

De #FabiNaOMS - Mulheres negras movendo estruturas para #FabiNaOMS - Organização Mundial da Saúde/ Cazaquistão

Quem ajudou (45)

  • Thais Ferreira
    em 15 de Agosto de 2018 diz: Somos os melhores sonhos!!!

  • Gerusa Gibson
    em 15 de Agosto de 2018 diz: Fabi, estou divulgando entre meus contatos. Bjs

  • Guilherme Peres
    em 15 de Agosto de 2018

  • Sofia Soter
    em 15 de Agosto de 2018

  • Natália Sampaio
    em 15 de Agosto de 2018 diz: Voa, sua maravilhosa! <3

  • Isabela Sampaio
    em 15 de Agosto de 2018

  • Mariana varella
    em 14 de Agosto de 2018

  • Jussara Lisboa
    em 14 de Agosto de 2018

Denuncie

Iremos verificar sua denúncia e entrar em contato com o dono da Vakinha.