Solidariedade / Pessoas / Saúde / Caridade

COVID-19: Kits-emergência para famílias nas periferias do Recife

ID da vaquinha: 956633
COVID-19: Kits-emergência para famílias nas periferias do Recife
Recife de Luta
Recife / PE
Arrecadado
R$ 51.870,00
Meta
R$ 48.000,00
Apoiadores
0
  • Sobre
  • Novidades
  • Quem ajudou

Quem tem fome, tem pressa! DOE AGORA E AJUDE A MANTER 400 FAMÍLIAS ALIMENTADAS E PROTEGIDAS DO CORONAVÍRUS NAS PERIFERIAS DO RECIFE

Com a chegada do corona em Pernambuco, estamos vivendo um momento ainda maior de calamidade. As recomendações médicas é que fiquemos isolados e preservemos nossa saúde e de nossa família e comunidade. Para a população que mora nas periferias urbanas, seguir as recomendações de ficar em quarentena é um esforço redobrado. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 40,7% dos brasileiros ocupados atuam na informalidade. Quase metade da nossa população ficará sem renda no contexto de quarentena.

Ao invés de assistir essas populações, as iniciativas do Governo Federal vêm retirando mais e mais direitos. Não podemos assistir a esse cenário desolador de mãos atadas. Nós que fazemos parte da Articulação Recife de Luta estamos criando essa campanha para possibilitar que aqueles que estão em melhores condições financeiras, possuem emprego fixo, possam contribuir diretamente com a realidade dos moradores e moradoras de periferia.

Não deixaremos de lutar na esfera política e jurídica para que essas populações tenham seus direitos assistidos. Porém, ações imediatas precisam ser realizadas para amenizar esse contexto tão desolador. A nossa meta inicial é prestar auxílio a 400 famílias, de 8 comunidades do Recife, com kits que incluem material de limpeza/higiene, alimentos e material de proteção e prevenção ao coronavírus (máscaras, luvas, álcool em gel). Cada kit tem o valor de R$ 120,00. 

A sua doação, seja do valor de um kit, seja o valor que for possível para você, é muito importante para melhorar o cenário de prevenção e sobrevivência dessas famílias. Chegou a hora de darmos as mãos, mesmo que simbolicamente, e colaborar com as vidas que sustentam nosso dia a dia e estão impossibilitadas de trabalhar. O contexto pede união, amor, solidariedade. Fiquemos juntas e juntos para vencer mais essa batalha preservando a VIDA da população pobre e trabalhadora.

 

 Fortalecendo territórios de resistência  

O apoio será direcionado a famílias em situação de pobreza precisando de apoio urgente para garantir segurança e saúde, residindo em 08 territórios que representam resistências importantes para a cidade na luta por moradia digna. São eles:

  • Ibura: Nesta comunidade iremos atender 2 territórios: 
  • >>  27 de Novembro: a vila é uma ocupação que existe há mais de 20 anos, numa das áreas mais populosas da cidade e que historicamente luta por melhoria nas condições de vida e de infraestrutura da cidade. Após perderem tudo em um período de chuva, lideranças comunitárias, em sua maioria mulheres, conquistaram moradias para dezenas de famílias, ainda na gestão de Miguel Arraes. Ainda hoje, formada por uma maioria de mulheres lutadoras, a comunidade 27 de novembro continua se mobilizando para reivindicar direitos.
  • >> Três Carneiros Alto: Faz parte do Ibura de Cima, onde estão localizadas as Unidades Residenciais (UR’s), dentre as quais Três Carneiros. A comunidade vem resistindo como outras comunidades próximas, como Zumbi do Pacheco, Terceira Etapa da Ur 05,  Ur 12, Monte Verde. Iremos apoiar as ações que estão sendo realizadas pela Associação de Moradores, que passou mais de 10 anos fechada, e está se organizando para atender à comunidade como todo dentro do território, inclusive construindo uma mini biblioteca comunitária.
  • Aliança com Cristo (Jiquiá): localizada na Zona Oeste do Recife, a comunidade Aliança com Cristo está localizada próxima à antiga Fábrica Iolanda. A necessidade de ter um teto para morar, fez com que centenas de famílias ocupassem a área onde antes muitas delas usavam apenas como espaço de lazer, um antigo campinho de futebol. O campo foi mantido e no seu entorno surgiu a comunidade, que continua 
  • Bode (Pina): território pesqueiro, onde palafitas abrigam centenas de famílias que tem seu direito à moradia e tantos outros direitos negados todos os dias, mas que resistem com experiências como a da Livroteca Brincante do Pina, o coletivo Pão e Tinta, a ocupação Sítio dos Pescadores, Nação Maracatu Encanto do Pina e tantas outras iniciativas. A ZEIS está localizada no m² mais caro da cidade;
  • Caranguejo Tabaiares: resistência sempre foi sobrenome desse território pesqueiro centenário do Recife. Ainda mais depois do surgimento do coletivo Caranguejo Tabaiares Resiste! que já foi vitorioso ao derrubar a tentativa de desapropriação de centenas de famílias na comunidade e vem pautando o direito a existir e permanecer na comunidade, com qualidade e políticas públicas. A Biblioteca Comunitária de Caranguejo Tabaiares é também um polo de cultura e educação no coração da ZEIS.
  • Caxangá: a Ocupação Caxangá do MUST é uma referência de luta pela moradia e de como um terreno, abandonado há vários anos, pode dar lugar à vida e à esperança, assim como outras ocupações urbanas têm mostrado.
  • Coque (Joana Bezerra): A comunidade fica no centro do Recife, entre o centro da cidade e Pina. Desde o início da ocupação, que já soma mais de 100 anos, sofre investidas do poder público e do setor privado de expulsão. Mas resiste, somando uma população, segundo dados da própria comunidade de 40mil habitantes. Já conseguiu combater a construção de um shopping center e um Polo Jurídico. É reconhecida pelo seu histórico de luta e resistência. O movimento Coque (R)existe e o Neimfa tem atuação importante na comunidade. 
  • Santa Luzia (Torre): comunidade representa uma fronteira de resistência popular à especulação imobiliária entre os bairros da Torre, Madalena e Casa Forte. Vem sofrendo ao longo dos últimos anos várias processos, que vão desde tentativas de desapropriação e remoção até por incêndio, que deixou centenas de famílias desabrigadas. Conta com espaços comunitários de referência importantes como o CEPAS e a Rioteca.

Prestação de Contas

Iremos enviar um relatório de prestação de contas, com fotos para todos os doadores. Também iremos publicar as fotos das cestas prontas assim como das entregas dos kits nas nossas redes sociais.  Acompanhe o andamento da nossa campanha: 

faceboook.com/recifedeluta

instagram.com/recifedeluta

 

Como funcionarão as doações

A cada 10mil reais consideraremos fechada  1 etapa, efetuaremos o saque e distribuiremos os kits em 2 comunidades, prosseguindo assim com a campanha e agilizando a ajuda nas comunidades mais necessitadas. 

 

Apoiar a economia local e popular

Um dos desafios dessa iniciativa é fazer com que todas as suas etapas fortaleçam dinâmicas comunitárias e reduzam o impacto da pandemia nas comunidades populares. Nesse sentido, os kits serão adquiridos em empreendimentos locais, para que circule a economia popular local em cada território. Esse setor é um dos mais impactados do momento, pois depende da capacidade de consumo das famílias que se encontram muitas vezes sem renda e sem trabalho. Essa é a realidade da informalidade.

Chegar com apoio a mercadinhos de bairro, empreendimentos locais é uma forma de garantir sobrevivência e uma rede de economia solidária circulando para e com os “de baixo”. Queremos que esses recursos circulem nas comunidades, gerando fortalecimento em rede.

Em um momento em que poucas ou nenhuma medida é pensada pelos governos para estimular essa economia, nós queremos potencializar esses arranjos de pequenos negócio e provocar para a urgência dessas práticas também.

Recife de Luta - Quem somos

A Articulação surgiu em 2018, agregando organizações sociais como Habitat para a Humanidade Brasil, FASE (Federação de Órgãos para a Assistência Social e Educacional), Centro Popular de Direitos Humanos, Cendhec (Centro Dom Hélder Câmara de Estudos e Ação Social), Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico (IBDU), dentre outras, movimentos populares, academia, movimentos sociais. O objetivo do surgimento foi incidir na revisão do Plano Diretor (legislação  que define os parâmetros urbanísticos da cidade por 10 anos), lutando pela participação popular. Hoje, continuamos em atuação incidindo politica e juridicamente por uma cidade justa, colaborando com a luta do Coletivo Caranguejo Tabaires Resiste, incidindo na disputa pela função social das moradias no centro, nos articulando nacionalmente com o Fórum Nacional e Reforma Urbana e o Br Cidades. 

AVISO LEGAL: O texto e as imagens incluídos nessa página são de única e exclusiva responsabilidade do criador da vaquinha e não representam a opinião ou endosso da plataforma Vakinha.

Todos os direitos reservados. 2020