Cover para vakinha prof
Vakinha avatar

Vakinha de
Ana Tenorio
Paulista/PE

Aninha Rumo à Itália

Objetivo
R$ 30.000,00
Arrecadado
R$ 100,00
$ contribua

Sou portadora de Lúpus desde 2015. De lá para cá, enfrento enormes dificuldades com a rotina da doença, que pela segunda vez me causa uma crise. Dessa vez, terei que fazer um tratamento com quimioterapia, pois o lúpus atingiu meus rins. Aqui no Brasil venho tendo dificuldades para realizar os tratamentos básicos, e por essa razão estou buscando melhorar lá fora: na Itália.

Criada em
25/10/2017
Encerra em
03/03/2018

Em setembro de 2015, minha vida mudou completamente. Um diagnóstico difícil recebido com muito medo do futuro, que eu literalmente vi desmoronar na minha frente. Lúpus. Uma doença autoimune crônica inflamatória e sistêmica, que me causa dores diárias desde o dia da sua descoberta. Para quem não sabe o que é lúpus, eu explico: basicamente, meu sistema imunológico não funciona tão bem quanto deveria, e as células do meu corpo que deveriam me defender (de infecções, por exemplo), começam a trabalhar contra mim, destruindo minhas células boas e causando o que chamamos de inflamação. Essa inflamação causa dores e muitos outros problemas, e no meu caso, o lúpus atingiu minha pele, meu fígado, minhas artérias, minhas articulações, e agora meus rins.

Tive duas crises muito graves da doença, e agora estou passando por mais uma. Fui forçada a trancar a faculdade de Enfermagem duas vezes, uma em 2015 (período do diagnóstico) e agora novamente.

Infelizmente, meu tratamento está enfrentando dificuldades. Sou acompanhada pelo SUS, e sou grata aos médicos que me acompanham pois fazem de tudo para driblar as falhas do nosso sistema público de saúde, porém não tem sido suficiente. A demora nas solicitações e resultados de exames básicos (e dos importantes, nem se fala), a falta de recursos e de medicações nas farmácias populares (que são caros, e eu tenho que tirar do meu bolso para adquirir), somado a própria deficiência que a doença me causa (muitas vezes não consigo nem mesmo me locomover, segurar um copo ou mesmo pentear o cabelo sozinha), me fez buscar a minha "saúde" (ou pelo menos a possibilidade de melhora) em outro país. Na Itália. Por ser um país com mais recursos investidos no lugar certo (como na saúde), a Itália oferece mais chances de que eu consiga minha recuperação, e que logo depois eu possa voltar a minha vida normal: retomar minha faculdade de Enfermagem e poder trabalhar.

Ainda tenho 20 anos, e me sinto totalmente dependente da ajuda da minha mãe, que faz de tudo para dar o básico do sustento que preciso. Ainda por cima temos que gastar com os remédios e tudo o mais. Muitas vezes tive que faltar às aulas por não conseguir andar pela artrite, a fotossensibilidade causa manchas por todo o corpo caso tome o mínimo de sol, e isso sem falar nas dores. Ver meu cabelo cair duas vezes também não foi nada fácil. A autoestima já não estava nada boa, não podia sair de casa por estar com a imunidade baixa (por causa dos remédios imunossupressores), e meus amigos... Bem, eles fizeram sua parte. A maioria se afastou, ou faziam as famosas "visitas". Raramente eu tinha companhia, e num momento como este, às vezes é tudo que precisamos.

Só quem vive com dor crônica sabe do que estou falando. E isso me impede de ter uma vida normal. Eu poderia simplesmente me encolher na cama o dia todo, mas não.

Eu quero viver.

Quero poder levantar e andar sozinha, e que isso não seja apenas um dia na semana. Quero poder acordar e responder "não sinto dor alguma" quando minha mãe fizer a pergunta corriqueira: "onde é sua dor hoje?", porquê se tornou um hábito eu sempre estar com alguma dor. Quero poder estudar, ter outros tipos de preocupação, em vez de me preocupar a que horas eu devo tomar algum remédio para isso ou para aquilo, que devo usar protetor solar até para ir na padaria, ou que tenho que recusar um convite porquê minha imunidade está muito baixa e eu não posso "ter contato com muitas pessoas". Tudo isso cansa. Ter lúpus cansa. E eu estou cansada de viver assim.

Se o tratamento fosse eficaz, então sim, eu poderia estar tendo essa vida normal. Creio que ter saúde é meu primeiro passo, mas não é da noite para o dia que se muda de país.

Sei que há muito para me organizar, e preciso muito de pessoas que acreditem no meu sonho, e que estejam dispostas a me ajudarem com recursos financeiros.

Como ainda estou em crise, não posso trabalhar quando chegar lá. Meu próximo tratamento (que vou iniciar por conta do lúpus ter atingido meus rins) envolve uma quimioterapia, e por conta disso sei que preciso focar primeiramente no meu tratamento, e não poderia trabalhar para me sustentar. Sendo assim, o dinheiro que preciso é para me manter lá pelo período de dois anos (tempo do tratamento com a quimioterapia).

Com isso, eu venho aqui, expondo minha vida para vocês, para pedir ajuda. Qualquer ajuda é bem vinda, e eu preciso reunir o máximo possível para poder ir. Acredito que Deus abençoará a cada um que está me ajudando direta ou indiretamente, e isso me deixa muito feliz, pois sei que a minha história e o que eu estou passando servirá para algum propósito.

Para os que quiserem me ajudar ou saber mais da minha história, deixo à disposição meus contatos (@iamanatenorio no Instagram), meu Facebook (FB.com/AnaTenorioo) e meu e-mail: anynhatenorio@gmail.com.

A conta para depósito de qualquer valor é do Banco Santander

agência: 3757 conta: 01099709-9

ANA TENÓRIO FEITOSA SANTOS

 

ou do Banco do Brasil, no nome da minha mãe:

agência: 3243-3

conta: 7.590-6

ANA TENÓRIO FEITOSA SILVA

ou

 

Caixa Econômica Federal.

Agência: 0944 (023) conta: 00028666-6.

 

Desde já eu agradeço a quem leu até aqui, e quem puder divulgar também 

$ contribua

Novidades (0)

Quem ajudou (2)

  • Ana Karenine Cavalcanti
    em 11 de Dezembro de 2017

  • Edicleiton
    em 27 de Novembro de 2017 diz: Tenha fé e certeza de que Deus esta no controle de tudo. Não cai uma folha da arvore se Deus não deixar.

Denuncie

Iremos verificar sua denúncia e entrar em contato com o dono da Vakinha.