Cover 35340a81 ec6e 4678 8c60 52098b3f9c03
Thumb whatsapp image 2019 08 21 at 15.41.07

Vakinha de
Associação dos Deficientes Visuais de Novo Hamburgo - ADEVIS NH
Novo Hamburgo /RS

Empoderamento Feminino: Ferramenta de Transformação

ID da vaquinha: 688935

Copiar url:

Objetivo
R$ 48.780,00
Arrecadado
R$ 425,00
$ contribua

No Brasil há 25.800.681 mulheres com deficiências, segundo dados do IBGE (2010), equivalente a 26,5% da população. A ADEVIS-NH propõe-se a, através deste projeto, organizar espaço próprio para acolher, amparar, informar e reestruturar a vida social e afetiva das participantes, colaborando para a circulação do diálogo e da informação, que podem ser estruturantes para as participantes.

Criada em
21/08/2019
Encerra em
21/12/2020

Dados da ONU afirmam que mulheres e meninas com deficiência são três vezes mais vulneráveis a abusos e violência doméstica. De acordo com dados reunidos por fontes oficiais, 68% das denúncias de violência a pessoas com deficiência se referem a mulheres, número que salta a 82% quando se fala em violência sexual. Além disso, pesquisa realizada em 2016 pela Rede Internacional de Mulheres com Deficiência – International Network of Women with Disabilities (INWWD), aponta que aproximadamente 40% das mulheres com algum tipo de deficiência já tenha sofrido violência doméstica no mundo.

No Brasil há 25.800.681 mulheres com deficiências, segundo dados do IBGE (2010), equivalente a 26,5% da população. Mas a violência contra mulheres com deficiência raramente aparece nas estatísticas porque nos Boletins de Ocorrência das delegacias não há um registro específico sobre a deficiência. Também é grande o número de mulheres que, vítimas de violência física, tornam-se pessoas com deficiência, como a própria Maria da Penha, cuja luta por justiça deflagrou a criação da Lei 11.340 que completou onze anos em agosto de 2017.

Atenta a isso, e seguindo as premissas de nosso trabalho, a equipe da ADEVIS-NH propõe-se a, através deste projeto,  organizar espaço próprio para acolher, amparar, informar e reestruturar a vida social e afetiva das participantes, colaborando para a circulação do diálogo e da informação, favorecendo o auto-conhecimento e o surgimento de novas perspectivas, que podem ser estruturantes para as participantes.  

Outrossim, reconhecemos que quem tem alguma deficiência e passa a reconhecer seu potencial e exercer seu papel social, deixa de enxergar-se como um empecilho à sociedade. Assim, independente de onde as mulheres estejam, almeja-se que possam, através das atividades propostas, ocupar papel ativo e exercer funções que causem impacto para si e para o meio onde vivem.

$ contribua

Novidades (0)

Quem ajudou (11)

  • maria de lourdes kussler
    em 26 de Agosto de 2019

  • fernanda reginato
    em 23 de Agosto de 2019

  • Iramaia Kotschedoff
    em 23 de Agosto de 2019

  • Iris Schenkel Foscarini
    em 23 de Agosto de 2019

  • Heitor Klein
    em 23 de Agosto de 2019

  • anônimo
    em 23 de Agosto de 2019

  • Mara Piardi
    em 23 de Agosto de 2019

  • Claudinei Padilha
    em 22 de Agosto de 2019

Denuncie

É necessário estar identificado para fazer uma denúncia. Registre-se ou faça login.

AVISO LEGAL: O texto e as imagens incluídos nessa página são de única e exclusiva responsabilidade do criador da vaquinha e não representam a opinião ou endosso da plataforma Vakinha.