Vaquinha / Outros / Dinheiro

Cordão Tereza de Benguela - Dia da Mulher Negra Brasileira

ID da vaquinha: 178919
Cordão Tereza de Benguela - Dia da Mulher Negra Brasileira
COMPARTILHE ESTA VAQUINHA
URL copiada!
11%
Arrecadado
R$ 544,00
de
Meta
R$ 4.863,00
Apoiadores
11
  • Sobre
  • Novidades
  • Quem ajudou
  • Mensagens

“Cordão Tereza de Benguela” Dia 25 de julho - Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra

O Coletivo de Oyá - Mulheres Negras da Periferia de SP, tem realizado diversas intervenções nas periferias da cidade, especialmente na Zonal Leste, a partir dos eixos Saúde, Educação, Empreendedorismo e Cultura Popular, com o objetivo de promover momentos de reflexão sobre a situação das mulheres, especialmente das negras, nos diversos aspectos da vida pública e privada. Vislumbramos, desse modo, traçar estratégias coletivas para transcender a histórica e atual realidade de opressão vivida, sobretudo pelas mulheres pretas.

Nesse sentido, e em consonância com a agenda internacional de mobilizações e atividades em decorrência da importante data de luta, 25 de julho (Dia Internacional da mulher Negra Latino Americana e Caribenha), o coletivo realizará no sábado, dia 22 de julho, uma programação especial na comunidade onde abriga sua sede, no Jardim Robru, São Miguel Paulista.

No Brasil, especialmente, 25 de julho é o dia em que se homenageia Tereza de Benguela, referência fundamental na luta das mulheres negras brasileiras. “Rainha Tereza”, como ficou conhecida em seu tempo, viveu no século XVIII, no Vale do Guaporé, no Mato Grosso. Ela liderou o Quilombo de Quariterê após a morte de seu companheiro, José Piolho, morto por soldados. Segundo documentos da época, o lugar abrigava mais de 100 pessoas, com aproximadamente 79 negros e 30 índios. O quilombo resistiu da década de 1730 até o final do século. Tereza foi morta após ser capturada por soldados em 1770 – alguns dizem que a causa foi suicídio; outros, execução ou doença.

Programação “Cordão Tereza de Benguela”

Dia 22.07.2017: Praça da 67ª DP - Rua Severino José Fernandes, Jardim Robru.

13:00h - Concentração na Praça da 67ª - Aula de dança aberta - Oficina de lambe - Microfone aberto - Feira de Afro empreendedoras

16:00h - Saída do Cordão Tereza de Benguela Grupos confirmados: BatucAfro – Lelê de Oyá – Escola de Samba Santa Bárbara - Bloco de Xequerês do Coletivo de Oyá.

Dia 22.07.2017: Quadra em frente à Casa do Coletivo de Oyá – Mulheres Negras da Periferia.

17:00h - Homenagem às Mulheres Negras periféricas que são referência em diversas áreas.

17:30h - Batalha de Conhecimento Dominação

A relevância desse evento, para além de referenciarmos e destacarmos a luta das mulheres negras no Brasil, a partir da figura de Tereza de Benguela, e das diversas mulheres negras paulistanas e periféricas, que serão homenageadas na atividade, é trazer as discussões travadas a partir dos movimentos negros e de mulheres, principalmente no centro da cidade para as áreas mais periféricas. Ademais, buscamos visibilizar e fazer dialogar entre si grupos que já produzem, assim como o coletivo, diversas atividades político-culturais nessa comunidade e em seus arredores.

Neste sentido, solicitamos apoio financeiro para a realização deste evento em São Miguel Paulista. Em contrapartida, além de divulgar as marcas dos nossos parceiros em peças de divulgação do “Cordão Tereza de Benguela” nas redes sociais (Facebook, Instagram) do Coletivo de Oyá, ofereceremos ações culturais que compõem o portfólio do grupo como a “Vivência de Xequerês” e a Contação de história “Ubuntu, a essência primeira”.

Segue detalhamento abaixo:

- Comunicação (camisetas, faixas, panfletos): R$ 2.250,00 - Alimentação (lanches, água): R$ 1.813,00 - Transporte: R$ 800,00

AVISO LEGAL: O texto e as imagens incluídos nessa página são de única e exclusiva responsabilidade do criador da vaquinha e não representam a opinião ou endosso da plataforma Vakinha.

Todos os direitos reservados. 2021