Vaquinha / Outros / Dinheiro

Ajuda para os filhotes da Mãe

ID da vaquinha: 71401
Ajuda para os filhotes da Mãe
Você não possui corações!
Clique aqui para comprar.
0 coração recebido
COMPARTILHE ESTA VAQUINHA
URL copiada!
24%
Arrecadado
R$ 480,00
de
Meta
R$ 2.000,00
Apoiadores
4
  • Sobre
  • Novidades
  • Quem ajudou
  • Mensagens
Esta, como tantas outras, é uma história de abandono. No final de 2015, meu vizinho se mudou com a família, deixando para trás seis gatos. Logo, os seis se transformaram em dez. Dois deles ainda precisam de ajuda urgente.Tudo começa com a Mãe e essa é a história dela. Em janeiro deste ano, ela foi encontrada com quatro filhotinhos lindos no meu quintal. Infelizmente, nesse momento, ela já estava bastante debilitada. Havia tido duas crias de quatro gatos cada em um intervalo de poucos meses. Dessa primeira cria, nascida no final de 2015, eu já havia adotado uma, a Olívia, minha caçulinha. Três ficaram com ela e a seguiam para todos os lugares. Obviamente, também vieram para a minha casa.  Mãe e seus quatro filhotes. Dois foram adotados e dois faleceram.Mesmo com todos os cuidados e alimentação adequada, a Mãe parecia não se recuperar. Tinha uma diarreia constante e não ganhava peso. Após de consultar com o veterinário e administrar os medicamentos, chegamos à conclusão que era devido à amamentação e que quando os filhotes fossem doados, ela se recuperaria mais rapidamente. Me apressei em buscar donos para os quatro. Minha mãe ficou com uma fêmea, a Belinha, e um casal de amigos levou um macho, o Pelé. Ainda restavam a Culi, a menor das fêmeas, e o Amédio, um lindo macho meio siamês. Foi então que aconteceu a primeira internação da Mãe. Uma ferida que nunca cicatrizava na pata nos levou ao veterinário, que diagnosticou a esporotricose, uma micose subcutânea que pode afetar tanto animais quanto humanos. Ela, então, teve a pata cauterizada e ficou alguns dias internada antes de voltar para casa. Nesse meio tempo, os dois filhotes começaram a apresentar o que parecia ser uma gripe: espirros, secreções, dificuldade para respirar... Os três foram diagnosticados com rinotraqueíte felina. Começamos o tratamento, que envolveu antibióticos, anti-inflamatórios e vitaminas para fortalecer o sistema imunológico. Essa parte da história, infelizmente, é triste. Mãe, Culi e Amédio não melhoraram com a medicação e faleceram no veterinário devido ao agravamento do quadro respiratório. Morreram juntos, quase ao mesmo tempo. No final, descobrimos que eles haviam contraído FeLV (Vírus da Leucemia Felina) e FIV (Vírus da Imunodeficiência Felina), que foram os responsáveis pelas doenças secundárias. Culi e Amedio com três mesesMas esse não precisa ser o final da história da Mãe. Ela deixou ainda dois filhotes que estão no meu quintal, ainda da sua primeira cria. Um macho e uma fêmea que, mesmo que não possam entrar em casa pela segurança das minhas gatas, vivem e comem aqui todos os dias. O macho aparenta estar saudável; precisaria ser testado contra a FIV e a FeLV e receber todas as vacinas. A fêmea, infelizmente, sabemos que tem esporotricose: uma ferida já tomou quase toda sua orelha esquerda. Os dois precisam de tratamento e, acima de tudo, de um lar.Todas as doenças citadas são extremamente comuns em gatos abandonados. A desnutrição e falta de cuidados básicos os deixam suscetíveis a vírus que estejam presentes no ambiente e as brigas constantes fazem com que a transmissão seja rápida entre a população de rua. Meu bairro está tomado. Todos os dias chegam mais notícias de gatos doentes na vizinhança. Nos últimos meses a Secretaria de Saúde de Vassouras divulgou um alerta contra a esporotricose, que já vem sendo chamada de epidemia. A intenção, ainda que boa, levou a um resultado desastroso: assustadas, as pessoas têm matado os gatos. Centenas foram atendidos por envenenamento ou encontrados mortos. A principal forma de assassinato tem sido colocar vidro moído na comida.Os filhotes da Mãe estão em risco. Além de estares expostos a todas as doenças, ainda estão vulneráveis contra a maldade humana, já que vivem soltos. Já foram gastos cerca de R$1500,00 com o tratamento da Mãe, da Culi e do Amédio (gastaria o dobro se isso fizesse que eles ainda estivessem aqui, diga-se de passagem). Estimamos que o tratamento e cuidados necessários com os outros dois estejam em cerca de R$2000,00 (sorologias: R$200,00; vacinas: R$1000,00; tratamento da fêmea: R$500,00; castrações: R$300,00). Eu poderia continuar colocando comida para eles todos os dias e depois fechar a porta, fingindo que não vi a cara de pena dos dois e a piora na ferida da fêmea. Mas eu não consigo. Dos dez gatos que foram abandonados pelo vizinho, três estão desaparecidos e três já morreram. Não posso deixar que o mesmo aconteça com eles dois. Essa vaquinha tem o objetivo de viabilizar os cuidados com os dois gatos, mas, acima de tudo, de chamar atenção para os casos de abandono e maus tratos com tantos e tantos animais. O que me move é a esperança de que os dois possam encontrar um lar e ter o final feliz que a Mãe não pôde ter.MachoFêmea com esporotricoseFerida de esporotricose na orelha da fêmea
AVISO LEGAL: O texto e as imagens incluídos nessa página são de única e exclusiva responsabilidade do criador da vaquinha e não representam a opinião ou endosso da plataforma Vakinha.

Todos os direitos reservados. 2022